Estado de Alagoas

Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

» Página Inicial Imprensa Emater amplia atendimento à população de extrema pobreza no Agreste
22/06/2016 - 11h58m

Emater amplia atendimento à população de extrema pobreza no Agreste

Programa Brasil Sem Miséria pode ser ampliado para 239 assistidos em três municípios

Emater amplia atendimento à população de extrema pobreza no Agreste
Texto de Vinícius Rocha

Após atender cerca de 65 famílias nos municípios de Craíbas e Girau do Ponciano, através do Programa Brasil Sem Miséria, o Instituto de Inovação para o Desenvolvimento Rural Sustentável (Emater-AL) pretende ampliar o número de beneficiários nestes e em outros do Agreste alagoano.

 

Segundo a gerente de assistência técnica e extensão rural da Emater-AL, Graça Seixas, a ideia é aumentar em mais de 220% o número de famílias atendidas somente em Craíbas, Girau do Ponciano e Lagoa da Canoa, passando de 65 beneficiários para um total de 239 nos três municípios.

 

Mas, segundo Graça, o acréscimo depende da liberação de aditivo solicitado junto ao Governo Federal, para ampliação do prazo para o cumprimento da meta em até mais 24 meses.

 

“Esse termo de cooperação do Programa Brasil Sem Miséria, entre Ministério do Desenvolvimento Agrário e Ministério do Desenvolvimento Social com a Emater, tem como objeto atender até 5 mil famílias em situação de pobreza e extrema pobreza no Semiárido alagoano. Com a volta dos técnicos para a região, nós pedimos que esse prazo fosse ampliado”, explicou a gestora.

 

A gerente salientou que nos municípios em que já havia atendimento do programa, por parte da Emater, foram trabalhados projetos de ovinocultura, caprinocultura, avicultura e horticultura.

 

O programa

 

De acordo com a técnica Ana Cláudia Nobre, que vem acompanhando o Programa Brasil Sem Miséria,  em Craíbas desde 2014, três frentes são trabalhadas: garantia de renda, acesso a serviços públicos e inclusão produtiva.

 

“Os serviços de assistência técnica e extensão rural são o eixo condutor do programa, pois se atua diretamente com as famílias cadastradas, que por exigência do programa, tem que fazer parte de um recorte de renda de até R$ 157 por pessoa da família”, explicou a técnica.

 

Concluído tal processo é feito o diagnóstico, avaliada a aptidão e o potencial da família. Conforme o projeto escolhido, junto com a família e com os técnicos de cada área da Emater. Na sequência, só assim, diz Ana Cláudia Nobre, ele recebe o fomento para investir no seu projeto.

 

A técnica explica que o programa faz com que as famílias saiam da condição de pobreza, dando garantia de renda, principalmente no período de seca, incentivando o agricultor que vai produzir sempre com acompanhamento do técnico que presta assistência contínua para que o projeto obtenha sucesso. 

Ações do documento